• Facebook
  • LinkedIn
  • Instagram

Os impactos do Coronavírus no varejo


A pandemia global COVID-19 está tendo um impacto profundo na vida dos consumidores. À medida que os bloqueios em todo o país começam a ser facilitados, o comportamento do consumidor continua a ser impulsionado por novas circunstâncias pessoais, como mudanças na renda, tempo livre, valores e prioridades. Do outro lado, os empreendedores estão divididos entre os que buscaram uma alternativa em meio à crise e aqueles que esperam ela acabar para medir o estrago.

O varejo sofreu muito na pandemia, no início era tudo muito novo e ninguém sabia como reagir. Então, o primeiro momento a ordem era baixar as portas e pronto. Com o passar dos dias, a necessidade de consumo fez com que houvesse uma luz no fim do túnel chamado e–commerce. Os grandes varejos começaram a se beneficiar do crescimento absurdo deste canal e o médio/pequeno que nunca imaginavam em se estruturar pra isso, às duras penas, saiu da zona de conforto e também participou desta onda. Alguns varejos previam que a participação do e-commerce chegaria a 45% neste ano (físico x site), no entanto, tiveram resultados antecipados nesta pandemia”, explica Jamil Khalil, diretor de expansão da Clínica da Cidade.

 

O diretor de expansão também ressaltou que o grande erro dos empreendedores durante a crise foi a estagnação. A falta de ação esperando o término da pandemia, para depois pensar estrategicamente sobre seu negócio, levou a perda de grandes oportunidades. O segmento de saúde, por exemplo, teve um alto crescimento e não parou as atividades em nenhum momento, devido à sua imprescindibilidade.

 

Entretanto, apesar da crise sem precedentes, a projeção para o final do ano e primeiro trimestre de 2021 são bem otimistas e apontam justamente para uma maior consciência no comportamento do consumidor.

Creio que o mercado estará mais maduro tecnologicamente e com um entendimento maior de consumo. O consumidor está mais atento a gastos desnecessários e valoriza muito mais o atendimento, conveniência e qualidade de vida”, acredita Khalil.

 

Ele afirma ainda que a tendência de mercado no cenário atual é antecipação da chegada da tecnologia no varejo brasileiro. A partir disso, segundo Kalil, começamos a olhar pra nós mesmos valorizando mais a vida. Sendo assim, ele decreta que tudo relacionado à tecnologia e serviços essenciais serão a nova tendência de mercado.

 

 E uma última dica preciosa do diretor de expansão de uma das mais rentáveis franquias médicas de saúde na atualidade, a Clínica da Cidade: “busque empresas que continuaram verdadeiras fortalezas e até cresceram mesmo na pandemia e que deram opções de atender seu clientes com outros recursos além do presencial, suprindo as necessidades essenciais”, conclui Jamil Kalil.





Bee Creative