• Facebook
  • LinkedIn
  • Instagram

Quarentena: efeitos psicológicos


Diante da emergência atual pela pandemia associada ao coronavírus, causador da síndrome Covid-19, medidas governamentais têm sido implementadas para controlar a disseminação do vírus, dentre estas inclui-se a quarentena de 14 dias para os indivíduos contactantes sem sintomas de casos suspeitos ou confirmados com coronavírus, assim como para pacientes com casos leves pelo alto risco de transmissão por vias aéreas. O que tem provocado efeitos psicológicos em toda a população mundial.

A quarentena era aplicada em casos de doenças epidêmicas como cólera, febre amarela, ebola, e o tifo exantemático. Assim como ocorreu para o controle de doenças como ebola, hanseníase, influenza H1N1, peste negra, síndrome respiratória aguda (SARS).

Definição de quarentena 

O termo “quarentena” é definido como a reclusão de indivíduos suscetíveis pelo máximo período de isolamento diante de uma doença contagiosa. A data do último contato com um caso clínico, portador ou fonte ambiental da infecção é considerada para indicar que este deve permanecer isolado de outros durante determinado período pelo risco de transmissão de doenças contagiosas.

Com a pandemia do Coronavírus, a quarentena está também sendo imposta como forma de proteção àqueles sem histórico de contato, por período indeterminado, como forma de prevenção.

A mudança da rotina e a restrição da mobilidade pela quarentena inevitavelmente provoca efeitos psicológicos. Estudos recentes indicam efeitos psicológicos negativos como sintomas de estresse pós-traumático, abuso de substância, irritabilidade, exaustão mental, sintomas de estado depressivo, estado confusional e tristeza profunda.

A saúde mental de crianças e adolescentes, pela ausência de rotina escolar e convivência, também tem sido afetada podendo desencadear – se não tratados – distúrbios emocionais futuramente.

Sobretudo entre os profissionais de saúde, observou-se maior probabilidade de: 

  • Exaustão;
  • Insônia;
  • Distanciamento social; 
  • Ansiedade frente a pacientes febris; 
  • Irritabilidade; 
  • Dificuldade de concentração;
  • Indecisão;
  • Estado depressivo;
  • Relutância ao trabalho.

Dicas para lidar com a quarentena

  • Praticar atividades físicas;
  • Procure outros passatempos;
  • Manter a alimentação balanceada;
  • Práticas de autocuidado;
  • Procurar ajuda psicológica.

Se você se identifica com esses sintomas ou conhece alguém que esteja precisando de auxílio, não hesite em agendar uma consulta.

Não deixe pra depois. Cuide de você!

Clique aqui e entre em contato com a Clínica da Cidade.

Marque já sua consulta!





Newsletter

Estamos constantemente fornecendo conteúdos institucionais, oportunidades e dicas de saúde. Para recebê-los, inscreva-se em nossa Newsletter.


Não enviamos SPAM

Bee Creative